PARAGUAÇU

VENHA CONHECER O LAGO DE FURNAS

Encantadora, Paraguaçu irá fazer você voltar!

 História
No final do século XVIII, foram cedidas duas sesmarias no Sertão de São Sebastião, na freguesia da Campanha, no sul de Minas Gerais: a primeira, ali por 1790, ao capitão Manoel Luiz Ferreira do Prado, e a segunda, ao português Agostinho Fernandes Lima Barata.

O lugar era habitado somente por índios da tribo mandiboias, de nação cataguá. Os nativos habitavam às margens dos rios Sapucaí e Dourado, ricos em peixes e frutas. Após os exames da região que fizeram, os colonizadores optaram pela pecuária, devido à facilidade que os cerrados ofereciam à criação de gado, embora não se descuidando do cultivo de cereais e formação de canaviais.

Inicialmente, o arraial tomou o nome de Carmo dos Tocos, pelo seguinte motivo: a sesmaria de Agostinho era formada por uma gleba de terra muito fértil onde vicejava uma densa mata virgem. Para que os moradores atingissem a localidade onde se pretendia construir a capela, foi necessário abrir uma picada, isto é, cortar árvores para a passagem de pedestres e cavaleiros, mas os tocos de árvores permaneceram, dando origem ao nome.

Segundo uma lenda, algum tempo depois, passou pela região um grupo de ciganos. Estando acampados no arraial, uma moça da cidade fugiu com os ciganos. A família e todos os moradores do lugarejo saíram ao encalço dos ciganos, expulsando-os. Depois de uma violenta luta, os sobreviventes fugiram e os mortos foram sepultados em uma vala no local denominado até os dias de hoje por Leva Tapas. Desde esse acontecimento, o arraial passou a denominar-se Carmo da Escaramuça, passando mais tarde à denominação de "Vila Paraguassú".

O município de Paraguaçu foi criado através da Lei 556, expedida em 30 de agosto de 1911, pelo governo de Minas Gerais. Um dos parágrafos dessa lei marcava a data para a eleição dos vereadores e para a escolha, pelos mesmos, do prefeito, do vice-prefeito e do secretário da câmara. Mas a prescrição legal não foi seguida.

Um ano depois, designado novo pleito, foram eleitos vereadores: José Cristiano Prado, Pedro Augusto Leite, Nestor Eustáquio de Andrade, José Camilo da Costa, João Pedro Alvarenga, Custódio Estevão Pereira e Cândido Galvão.Entretanto, faltavam à cidade prédios para cadeia, Grupo Escolar e Câmara, indispensáveis ao exercício da nossa autonomia. José Cristiano cedeu sua casa para sediar a Câmara, e o povo unido doou ao Estado, por escritura pública, os prédios que faltavam.

Empossados os titulares do Poder Legislativo local, foram eleitos Prefeito, Vice e Secretário, respectivamente, José Cristiano Prado, Pedro Augusto Leite e Cândido Galvão. A Câmara, sob a presidência de Pedro Leite, escolheu o dia seguinte, 1 de junho de 1912, para a instalação definitiva da Casa, quando, igualmente, o Prefeito e o Vice tomaram posse. Na sessão da Câmara do dia 2 do mesmo mês, iniciou-se a elaboração do Estatuto da Organização do Município. Com a liberdade, o arraial passou a responder pelo nome de "Paraguassú", escolha do senador Gaspar Lopes.

E assim foi que, em 1 de junho de 1912, Paraguaçu conquistou a liberdade, desligando-se definitivamente da dependência de Machado.

Prefeito
José Tiburcio do Prado Neto
Telefone
(35) 3267-1155
Cep
37260-000
Website
http://www.paraguacu.mg.gov.br
E-mail
pmpcu@dominiumnet.com.br
Endereço
R. Dr. João Pinheiro, 220

TURISMO

POUSADAS E HOTÉIS

AOS ARREDORES DO LAGO DE FURNAS


HOTEL/POUSADAS
RESTAURANTES
ENTRE EM CONTATO

ACONTECE EM CAPITÓLIO

INSTAGRAM

PARCEIROS